BOA-NOVA

Roberto Ribeiro De Luca

 
Sou o que fui outrora,
diferente agora,
mas eterno menino!

Serei ainda isso,
quando velho e sem viço,
cumprindo o destino

à margem de um ribeiro,
levar alvissareiro
boa-nova às estrelas:

“Nada já me arrufa,
cessou a lufa-lufa…
E sonho cá em tê-las!"