EU

Roberto Ribeiro De Luca

Deixei o que já fui,
passando ao que serei:
Sou!
Algo sidéreo flui…

Sou o que sou
e me basta!

Sei aonde vou,
nada me afasta do caminho.

Faço e desfaço,
ando e desando,
ganho espaço,
desafiando
quem me desafia.

Rubro e arminho,
ignoro acinte,
venço a porfia.

Vivo com requinte
sem nada ter de meu,
além do gosto por mim.

Um pouco nobre,
um pouco plebeu,

relicário de ouro,
moeda de cobre,
airoso espadachim!

E mais:

refratário aos ímpios!