PONTE DE SAFENA (OU INSIGHT)

Roberto Ribeiro De Luca

Pensei
que
tudo o que vi,
vivi,
amei,
tivesse se
esvaído
no vento
do tempo,

impiedoso,
veloz,
destemido!

……………

Hoje
sei
que o próprio
tempo,

repleto de amarelo,

ilumina
os estilhaços
da vida
enterrados
pelo vento,

trazendo
de volta
à superfície,
entre os
escombros
da memória
morta,

o torpor,
o êxtase,
o choque

(da revelação
encantada),

unindo,
em instante
súbito,
o fluir do sangue
à veia que
se partiu
um dia…

pela expiração do próprio tempo!