RECEITA DE PRAIA

Roberto Ribeiro De Luca

 
Seios dourados e lívidos, pernas lisas e pilosas, dois gomos grudados
e idênticos de fruta carnosa apanhada na hora do suor dos corpos,
pêndulos de relógios quase nus! Mistura-se tudo a ombros tatuados,
largos, estreitos, duros ou não, crianças, óculos escuros e guarda-sóis tortos.

Untam-se as peles com óleo fator vinte, descansando-as por dez minutos.
Em seguida, camarõezinhos bem fritos, estuantes, juntam-se à caipirinha
enganosa, vendida com simulação por caminhantes loquazes, astutos.
Aumenta-se o sono dos olhos até pranchas surgirem leves na espuminha

da água morna. Mergulham-se então as frontes pingantes mais ao fundo,
momento preferido pelos casais de namorados excitados, pulsantes.
O calor deve bater os quarenta graus e borbulhar a praia num segundo.

Espera-se o sopro do vento breve, embriagante, para o ponto alcançar,
quando costas são deitadas nas esteiras das areias ígneas, fulgurantes,
abrindo-se ao sol, ao mar, braços que a vida abraçam…até esta se cansar!